998 casos

Avanço da chikungunya pode ser contido com cuidados em casa

Ações para impedir a reprodução do Aedes aegypti devem ser reforçadas
Foto: Divulgação/PMCI

Diante do número expressivo de casos de chikungunya em Cachoeiro, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) alerta a população para a necessidade de reforço nos cuidados de combate ao Aedes aegypti, mosquito que transmite a doença e, ainda, a dengue e a zika.

De acordo com a Semus, de janeiro até a primeira quinzena deste mês, já foram confirmados 998 casos de chikungunya no município, quase dez vezes mais do que no mesmo período de 2019. 

Como não existem vacinas ou medicamentos que impeçam a contaminação, a melhor forma de prevenir a doença é a eliminação do vetor: é fundamental diminuir a quantidade de mosquitos que circula nos ambientes.

Algumas atitudes simples, dentro de casa, são bastante eficazes e devem ser reforçadas durante o isolamento social, recomendado durante a pandemia do novo coronavírus.

Como a reprodução do mosquito é possível em água parada, tanto limpa quanto suja, é importante que haja eliminação de tudo que possa servir de recipientes, como pneus sem uso, potes e outros objetos. Além disso, também é preciso cobrir caixas d’água e fechar ralos pouco utilizados com plástico ou, duas vezes por semana, jogar água sanitária nesses espaços.

Outras medidas são: manter as calhas limpas, colocar garrafas de vidro vazias sempre viradas de cabeça para baixo e deixar as lixeiras bem tampadas. Também é necessário descartar, corretamente, copos plásticos, embalagens, garrafas pet, tampinhas, sacolas plásticas e latas, para que não se tornem criadouros do Aedes aegypti.

“Embora o foco, neste momento, esteja voltado à covid-19, a chikungunya, assim como a dengue e a zika, não devem ser esquecidas. As nossas equipes mantêm todas ações de controle do vetor e é crucial que a população também dê a sua colaboração, tomando os cuidados básicos em casa, aproveitando o isolamento social. Esta é uma luta que não pode ser interrompida”, frisa a secretária municipal de Saúde, Luciara Botelho.

Sintomas da chikungunya

Os sintomas da chikungunya, geralmente, são: dor incapacitante nas articulações (que impede a pessoa de realizar até atividades comuns do dia a dia), febre, dor nas costas, erupções cutâneas, fadiga, náuseas, vômitos, dor de cabeça e dores musculares (mialgias). Após os primeiros sintomas, o paciente deve buscar uma unidade de saúde para orientações.

Ações

Dentre as ações desenvolvidas pela Semus para controle do Aedes aegypti, está o serviço de moto fumacê, que realiza aplicação espacial de inseticida em todas as regiões de Cachoeiro. As aplicações são feitas quatro vezes por mês em cada bairro ou localidade, sendo uma por semana, das 5h às 9h ou das 17h às 21h.

Confira o cronograma deste mês:

Segundas-feiras
Córrego do Óleo, Pôr do Sol, Rui Pinto Bandeira, Boa Vista, Aeroporto, Marbrasa, São Lucas, Central Parque, Waldir Furtado Amorim, Luiz Tinoco da Fonseca, Boa Esperança, Caiçara, Coramara, Gilson Carone, Agostinho Simonato, Alto Monte Cristo e Monte Cristo.

Terças-feiras
Jardim Itapemirim, IBC, Jardim América, São Francisco de Assis, Parque Laranjeiras, Otto Marins, Nova Brasília, Santo Antônio, Alto Eucalipto, Zumbi, Teixeira Leite, Valão, Vila Rica e Maria Ortiz.

Quartas-feiras
Campo Leopoldina, Basileia, Recanto, Centro, Guandu, Gilberto Machado, Paraíso, São Geraldo, Amarelo, Sumaré, Alto Amarelo, Amaral, Baiminas, Bela Vista, Costa e Silva, Nossa Senhora da Glória, Arariguaba, Monte Belo e União.

Quintas-feiras
Coronel Borges, São Luiz Gonzaga, Independência, Nossa Senhora Aparecida, Santa Helena, Ibitiquara, Nossa Senhora da Penha, Santa Cecília, Ferroviários, Aquidaban, Abelardo Machado, Ilha da Luz, Novo Parque, Bom Pastor, Fé e Raça e Rubem Braga.

Sextas-feiras
Village da Luz, Sambra, Santo Antônio (interior), Soturno, Gironda, Alto Moledo, Córrego Vermelho, Itaoca, Valão de Areia (Itaoca), Córrego dos Braz, Córrego dos Monos, São Joaquim, Coutinho, Pacotuba, Burarama e Conduru.