Casa dos Braga

110 anos de Rubem Braga: curiosidades sobre a casa do escritor

Imóvel onde o escritor morou em Cachoeiro reúne grande acervo sobre vida e obra do cronista
Foto: Divulgação/PMCI

Na esquina entre as ruas 25 de Março e José Garioli Filho, Centro de Cachoeiro, um centenário casarão colonial em estilo português guarda memórias de um dos mais importantes cronistas do Brasil, o cachoeirense Rubem Braga (1913-1990), que completa 110 anos de nascimento nesta quinta-feira (12).

Construído em 1906, o imóvel foi adquirido anos mais tarde por Francisco de Carvalho Braga, primeiro prefeito da cidade e pai de sete filhos, entre eles Rubem e o também escritor Newton Braga (1911-1962).

Mais de um século depois, a Casa dos Braga, como foi batizada, abriga um importante centro cultural, que preserva um vasto acervo da família, como móveis originais, documentos, fotografias, livros e muitos outros itens que celebram seus antigos moradores e sua herança cultural para Cachoeiro.

Entre os diversos registros históricos, estão reproduções de desenhos e quadros dedicados a Rubem Braga ou criados como ilustrações de suas crônicas. São imagens de Djanira, Di Cavalcanti, Dorival Caymmi, Cândido Portinari e outros nomes de grande relevância no cenário artístico nacional e internacional.

O público também pode conferir, no local, uma estátua do cronista em tamanho real, feita com papel machê, reproduzindo, com fidelidade, sua fisionomia.

No quintal, sob o famoso pé de fruta-pão imortalizado nos textos de Rubem, há a Praça da Poesia, espaço que, junto ao porão do casarão, recebe, periodicamente, eventos e atividades culturais, como lançamento de livros, saraus e oficinas.

“Estar na Casa dos Braga é como adentrar nas obras de Rubem Braga. Com seu jeito simples e irreverente, nosso grande cronista se inspirou em muitos elementos desse lugar, que remontam um pouco de sua história. Por isso, convidamos todos os apaixonados pela literatura a visitar o imóvel e se sentirem mais próximos desse grande orgulho de Cachoeiro”, destaca Fernanda Martins, secretária municipal de Cultura e Turismo de Cachoeiro.

É extraordinário que eu esteja aqui, nesta casa, nesta janela; e ao mesmo tempo é completamente natural, e parece que toda minha vida fora daqui foi apenas uma excursão confusa e longa: moro aqui. Na verdade onde posso morar senão em minha casa?

Em Cachoeiro, Rubem Braga, 1947.

Visitação

A Casa dos Braga está localizada na rua 25 de Março, número 187, centro de Cachoeiro. O público pode visitar o local, gratuitamente, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

No imóvel, servidores da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Semcult) de Cachoeiro esclarecem dúvidas e apresentam o acervo aos visitantes.

Para grupos com grande quantidade de pessoas, a Semcult orienta o agendamento da visita, o que pode ser feito por meio do telefone (28) 3155-5258 e pelos e-mails casadosbraga.cachoeiro@gmail.com e quelgariolli@gmail.com.

Mais curiosidades sobre a Casa dos Braga

  • Antes de se tornar um centro cultural, o imóvel chegou a ser escritório, cursinho e restaurante, e foi comprado da família pela gestão municipal em 1985;
  • Rubem não nasceu no local. Ainda em janeiro de 1913, mês e ano de seu nascimento, a família aguardava o fim das obras. Residiram no imóvel até 1958;
  • Em 1990, ano de sua morte, Rubem Braga visitou sua antiga casa pela última vez;
  • Em 2017, após a reabertura do espaço como centro cultural, foi plantado, no jardim, um pé de figo em homenagem à Anna Graça Braga, irmã caçula de Rubem Braga e última moradora da casa. Falecida em 2013, Gracinha, como era conhecida, fazia doces com os frutos que colhia de seu quintal.

Nossa casa era bem bonita, com varanda, caramanchão e o jardim grande ladeando a rua. Lembro-me confusamente de alguns canteiros, algumas flores (…) Era uma grande riqueza, uma árvore tão sagrada como o fruta-pão e o cajueiro do alto do morro, árvores de nossa família, mas conhecidas por muita gente na cidade (…)

Os Trovões de Antigamente, Rubem Braga, 1973.