Faria 109 anos

Escritor Newton Braga é homenageado em vídeos on-line

Nos vídeos, estudantes recitam poemas escritos pelo autor
Foto: Divulgação/PMCI

Se estivesse vivo, Newton Braga, um dos filhos mais ilustres de Cachoeiro, completaria, nesta terça (11), 109 anos. Em 2020, a edição do LiteraNewton, evento anual em homenagem ao escritor, teve de ser adaptado para o mundo virtual, devido à pandemia da Covid-19.

Assim, o tributo ao irmão mais velho de Rubem Braga foi prestado com vídeos comemorativos, publicados nas redes sociais (Facebook e Instagram) da Prefeitura de Cachoeiro.

A homenagem conta com a participação de estudantes de escolas da cidade, que recitam três textos poéticos escritos por Newton: “Fraternidade”, “Fantasia de manhã chuvosa” e “Poema para a poesia”.

Segundo a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Semcult), além de celebrar a importância do renomado escritor, a ideia da apresentação on-line também é a de continuar preservando a essência do LiteraNewton que, desde a primeira edição, busca a participação das escolas e incentiva as novas gerações a conhecerem a relevância de Newton para Cachoeiro e para a literatura.

“São três vídeos, com alunos de escolas cachoeirenses recitando poemas do aniversariante ilustre. São as novas gerações perpetuando a importância da poesia e a relevância desse inspirado poeta. Esperamos que Newton Braga seja sempre festejado. O LiteraNewton, neste ano atípico, encontrou seus caminhos para marcar data tão significante”, salienta a secretária de Cultura e Turismo de Cachoeiro, Fernanda Martins.

O homenageado

Jornalista, advogado e escritor, Newton nasceu em 1911, na fazenda do Frade, administrada pelo pai, Francisco Braga, primeiro prefeito de Cachoeiro. Estudou no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, cidade onde atuou em jornais e publicou poemas com influência do modernismo. Voltou para a cidade natal, em 1932, onde foi jogador do Estrela do Norte e redator-chefe do Correio do Sul, que usou para impulsionar movimentos cívicos, como a criação do Dia de Cachoeiro. “Lirismo perdido”, “Cidade do interior” e “Poesias e prosa” são algumas de suas principais obras.