Política Municipal de Educação Ambiental será apresentada em audiências

A destinação adequada de materiais recicláveis é uma das ações previstas no documento

Quatro audiências públicas apresentarão a Política Pública Municipal de Educação Ambiental de Cachoeiro de Itapemirim. Nos dias 26, 27 e 28 deste mês, produtores rurais, professores, gestores escolares e população em geral estão convidados a participar da apresentação das diretrizes, que têm como objetivo fortalecer as políticas públicas para a preservação do meio ambiente.

A intenção é que as propostas contidas nele virem lei, ainda neste ano, e permitam um trabalho mais sistemático e democrático no sentido de garantir a construção de valores sociais, conhecimentos, habilidades e atitudes gerem impacto na preservação ambiental municipal. As políticas devem focar em ações que fortaleçam debates como a destinação adequada de resíduos, a forma correta de plantio, a importância da arborização urbana e da preservação dos mananciais, entre outros.

A primeira das audiências será dia 26, às 19h, no Liceu Muniz Freire, voltada para a população em geral; outras duas no dia 27, às 18h, sendo uma na Gruta e outra em Burarama para produtores rurais, e a última no dia 28, na Secretaria Municipal de Educação, às 14h, especialmente para profissionais das escolas municipais. As inscrições serão gratuitas, e os cadastros serão realizados minutos antes do evento.

Segundo o secretário municipal de Meio Ambiente, Milas Alves, é muito importante que as audiências contem com a participação popular, fortalecendo, no nível local, discussões e atividades que estão sendo desenvolvidas baseadas na Política Nacional de Educação Ambiental, criada pela Lei 9795/1999, e na Política Estadual de Educação Ambiental, instituída pela Lei nº 9.265/2009.

“É uma oportunidade de conhecer os planos de ação do governo, que implicam diretamente no contribuinte e cidadão. A Política de Educação Ambiental esclarece sobre o papel das instituições privadas e públicas de ensino na pedagogia educacional e social de meio ambiente e ainda das associações de moradores dos bairros, favorecendo a melhor compreensão sobre o papel de cada um no desenvolvimento ambiental de nosso município”, destaca.