Recreio dirigido garante diversão com aprendizado em escolas municipais

Jogos e brincadeiras tornam o intervalo mais produtivo nas unidades

O hora do recreio está mais divertida e interativa em escolas municipais de Cachoeiro. Elas adotaram a metodologia do recreio dirigido para oferecer aos alunos, nesse período, atividades lúdicas e pedagógicas que contribuam para a integração e o aprendizado.

Atualmente, essas ações acontecem nas escolas “Monteiro Lobato”, “Maria das Dores Pinheiro Amaral”, “Professor Elísio Cortes Imperial”, José Taveira dos Santos”, “Albertina Macedo” e “Maria Silotti” e contam com o apoio de grêmios estudantis e estagiários de formação docente, além da participação dos servidores das escolas, como pedagogos e coordenadores.

As unidades estão apostando em espaços e brincadeiras diferenciados, que tornam o recreio mais proveitoso. Jogos de dominó, de uno, bambolê, amarelinha, pula corda, músicas e pinturas são algumas das atividades promovidas.

Além disso, durante esses momentos, os alunos também expõem suas demandas, informam do que eles mais gostam, como brincadeiras e atividades que podem ser inclusas no recreio dirigido.

“Estamos vendo resultados muito bons, porque esses momentos também são de aprendizado e promovem a socialização e a interação entre os estudantes. Eles aprendem brincando, e isso tem refletido positivamente no ambiente escolar”, salienta a gestora da escola “Maria Silotti”, Giane Angela Pin Moreira.

O gestor da escola municipal “Monteiro Lobato”, Alexandre Fortuna Lopes, relata que esse tipo de iniciativa torna o recreio mais organizado e produtivo, além de atrair a atenção dos estudantes. “Criança gosta de novidade e de atividades que aguçam a criatividade. Por isso, temos buscado unir essas duas coisas também na hora do intervalo”, reforça.

A secretária municipal de Educação, Cristina Lens, salienta que o recreio dirigido apresenta diversas possibilidades de novas aprendizagens no ambiente escolar. “Ele amplia as interações e diminui atitudes agressivas, amenizando a ociosidade, agitação e indisciplina. Envolver as crianças na organização dos jogos e brincadeiras é uma proposta que desperta o trabalho coletivo, requer atenção dos estudantes e proporciona integração e sociabilidade”, avalia.