70+ e imunossuprimidos

Cachoeiro aplica 3ª dose da vacina contra a Covid-19 a partir desta sexta (10)

Dose está autorizada para idosos de 70 anos ou mais e pessoas com alto grau de imunossupressão (baixa imunidade)
Foto: Márcia Leal/PMCI

Em Cachoeiro, a partir desta sexta-feira (10), idosos de 70 anos ou mais e pessoas com alto grau de imunossupressão (baixa imunidade) podem procurar as unidades básicas de saúde ou a Policlínica Municipal Bolívar de Abreu para receber a terceira dose ou dose de reforço da vacina contra a Covid-19.

A dose de reforço está autorizada – de acordo com a resolução 141/2021 da Comissão Intergestores Bipartite (CIB-ES) – para pessoas acima de 70 anos que tenham recebido a segunda dose ou dose única (no caso do imunizante da Janssen) há, pelo menos, seis meses. Por isso, será necessário apresentar à equipe de vacinação o cartão de vacina com a data da última aplicação, além do documento de identificação.

No caso das pessoas com alto grau de imunossupressão, a dose de reforço deve ser administrada 28 dias após a última dose do esquema vacinal (segunda dose ou dose única), conforme a resolução 169/2021 da CIB-ES.

Enquadram-se, nesse grupo, pessoas nas seguintes condições: imunodeficiência primária grave; quimioterapia para câncer; transplantados de órgão sólido ou de células tronco hematopoiéticas (TCTH) em uso de drogas imunossupressoras; pessoas vivendo com HIV/Aids com CD4 <200 céls/mm3; uso de corticoides em doses ≥20 mg/dia de prednisona, ou equivalente, por ≥14 dias; uso de drogas modificadoras da resposta imune, conforme anexo único; pacientes em hemodiálise; pacientes com doenças imunomediadas inflamatórias crônicas (reumatológicas, autoinflamatórias, doenças intestinais inflamatórias).

Como comprovação para a vacinação, pessoas desse grupo deverão apresentar, além do documento de identificação, o laudo médico (de 2018 em diante) indicando a condição ou declaração do enfermeiro do serviço de saúde onde fazem tratamento.

Vacina da Pfizer

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informa que, independentemente do imunizante das aplicações anteriores, as pessoas aptas a tomarem a dose de reforço receberão a vacina da Pfizer, preferencialmente.

As equipes de vacinação farão o atendimento de forma imediata ou agendarão a imunização, de acordo com a disponibilidade de doses.

“Convocamos as pessoas que fazem parte desses dois grupos a buscarem o reforço da imunização. A terceira dose é fundamental para fortalecer a produção de anticorpos contra a doença, nesse momento de disseminação de novas variantes do coronavírus. É uma forma comprovadamente eficaz de aumentar a defesa”, frisa o secretário municipal de Saúde, Alex Wingler.

O atendimento para vacinação nas unidades de saúde e na Policlínica é feito de segunda a sexta-feira, das 8h às 15h – exceto nas unidades de Jardim Itapemirim, Amaral, Paraíso e Aeroporto, que atendem até 19h.

Idosos em instituições e acamados

Nesta sexta, a Semus também iniciará aplicação da dose de reforço em idosos de instituições de longa permanência (ILPI). O trabalho, que será feito nas próprias instituições, começará pelo Lar Adelson Rebello.

Em outra frente, a secretaria fará atendimento domiciliar para imunizar as pessoas acima de 70 anos e os pacientes imunossuprimidos que se encontram acamados. Para isso, é necessário que familiares solicitem o serviço nas unidades básicas de saúde.

Por que a terceira dose é necessária?

O sistema imunológico dos idosos não tem a mesma performance das fases anteriores da vida. A produção de anticorpos já não está mais na mesma velocidade e, mesmo produzindo anticorpos, a quantidade que circula não é a mesma que a de um indivíduo adulto. Então, a terceira dose desperta e reforça o sistema. Isso vale também para as pessoas com baixa imunidade ou imunossuprimidos.

A dose de reforço ainda aumenta a resistência contra novas cepas do coronavírus. Por isso, ela é um componente importante na campanha de vacinação, que já tem gerado impactos positivos em relação ao número de casos, de óbitos e de internações, colaborando com o controle da pandemia.

Por que o intervalo entre a segunda e a terceira dose é de seis meses para os idosos?

Esse intervalo foi estabelecido a partir de estudos. Seis meses é o período de segurança em que a circulação de anticorpos se mantém alta após a aplicação da vacina. Em idosos, a tendência é que a circulação decaia depois desse prazo.

E para imunossuprimidos, por que 28 dias?

Pessoas com alto grau de imunossupressão apresentaram menor proteção pelo esquema padrão da vacinação, sendo estabelecido, por isso, o prazo menor, de 28 dias, para a dose de reforço.

A terceira dose será do mesmo fabricante da primeira e segunda dose? Por quê?

Os imunizantes que serão utilizados para a terceira dose serão da Pfizer, preferencialmente, mas também podem ser utilizados Janssen e AstraZeneca, de acordo com as resoluções da CIB-ES.

A terceira dose provoca alguma reação?

De acordo com o Ministério da Saúde, não foi verificado, nos estudos que foram realizados, aumento de evento adverso em relação à aplicação da terceira dose.