Secretaria de Saúde

Farmácia Municipal

Gerente de Assistência Farmacêutica:
Denise Nunes de Almeida Freitas

Servidora efetiva há 12 anos. Graduada em Enfermagem. Especialista em Saúde Pública.

Endereço: Rua 25 de Março, 73/79 – Centro – CEP: 29.300-100 – Cachoeiro de Itapemirim-ES
Horário de Funcionamento: 7:00h às 16:00h (segunda-feira a sexta-feira)
Telefones: 28 3155 5385 (atendimento) / 28 3521 8163 (gerência)
E-mail: farmaciamunicipal@cachoeiro.es.gov.br

Apresentação

O Sistema Único de Saúde – SUS, Instituído pela Constituição Federal de 1988, tem como princípio fundamental o direito de todos os cidadãos do país ao atendimento digno de suas necessidades de saúde, e hoje representa uma conquista social definitiva. Em consonância com as diretrizes do SUS, foi aprovada a Política Nacional de Assistência Farmacêutica.
A Assistência Farmacêutica é um conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto individuais como coletiva, e tem por objetivo ofertar à população medicamentos com garantia de qualidade comprovada e ainda sensibilizá-la quanto ao seu uso correto e racional.
A Secretaria Municipal de Saúde por meio da Gerência de Assistência Farmacêutica possui a atribuição de prover os medicamentos necessários ao atendimento dos usuários da rede de saúde pública municipal, e como forma de orientar o financiamento e o gerenciamento das atividades, a Assistência Farmacêutica foi dividida em três componentes: Assistência Farmacêutica na Atenção Básica, Medicamentos Estratégicos e Medicamentos Excepcionais/Alto Custo.
É de competência do Município o componente da Atenção Básica, que consiste em ações de Assistência Farmacêutica inseridas na atenção primária e em programas de saúde específicos, como Hipertensão e Diabetes, exceto insulinas; Asma e Rinite; Saúde Mental; Saúde da Mulher; Alimentação e Nutrição; Combate ao Tabagismo. Seu financiamento é tripartite, ou seja, envolve recursos federais, estaduais e municipais.
A cobertura farmacêutica é ampla, segura e eficaz, presente em unidades de Pronto Atendimento e em unidades dispensadoras de medicamentos de regiões estratégicas da cidade.
Para tanto, o município possui padronizados os componentes básicos de assistência farmacêutica e estes se encontram relacionados na Portaria Municipal n° 805 de 21 de setembro de 2018, através da Relação Municipal de Medicamentos Essenciais – REMUME.

CORONAVÍRUS

Diante da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), diversas medidas de prevenção e de proteção à saúde pública foram adotadas no município. Sabe-se que até os dias atuais não existem medicamentos com eficácia comprovada para a prevenção ou tratamento da doença. No entanto, a fim de disponibilizar ao cidadão cachoeirense uma alternativa terapêutica, a Secretaria de Saúde Municipal elaborou um Plano de Contingência para Covid-19, conforme as diretrizes do Governo do Estado.

Os medicamentos que contemplam o tratamento medicamentoso, previsto no referido plano, podem ser encontrados na Farmácia Municipal, localizada à Rua 25 de Março (prédio do antigo Sine), das 7h às 16h, mediante apresentação de cartão do SUS, receita médica e, no caso da Cloroquina, o usuário deve ter em mãos o:

A Cloroquina será disponibilizada para tratar de outras patologias?

Não. Este medicamento não é padronizado no município, ou seja, não faz parte da Relação Municipal de Medicamentos Essenciais (REMUME). Porém, em virtude da atual conjuntura, o governo do Estado disponibilizou a Cloroquina especificamente para o tratamento da Covid-19. Para outras doenças, como lúpus, reumatismo, entre outras, o usuário deve procurar pela Superintendência Regional de Saúde, situada no bairro BNH.

Relação Municipal de Medicamentos Essenciais (REMUME)

A Relação Municipal de Medicamentos Essenciais (REMUME) faz parte das ações necessárias à conformação da Política de Assistência Farmacêutica do município de Cachoeiro de Itapemirim-ES.
O objetivo da REMUME  é nortear a oferta, a prescrição e a dispensação de medicamentos no SUS, garantindo o acesso a medicamentos com uso racional, predominando as necessidades coletivas sobre os interesses mercadológicos e individuais.
Atualmente a REMUME possui 252 itens arrolados, que são adquiridos por processo de compra conforme Lei Nº. 8666/93, tal processo visa a continuidade do serviço prestado de forma a garantir assistência contínua aos usuários dos serviços, haja vista o tratamento de doenças crônicas na qual a interrupção pode incidir em agravamento do quadro ou mesmo levar o paciente a óbito.
Todavia, alguns medicamentos podem ficar temporariamente indisponíveis por problemas relacionados à produção farmacêutica ou dificuldades na aquisição. Esclarecemos que as compras dos medicamentos são programadas para que não haja desabastecimento na rede. Alguns medicamentos são fornecidos pelo Ministério da Saúde e outros adquiridos pelo município, que dependem de licitação, conforme determina a Lei 8.666. Em algumas situações, pode acontecer de não haver fornecedores interessados ou atraso na entrega.

Unidades Dispensadoras de Medicamentos

Os medicamentos constantes na REMUME são padronizados no município e são dispensados em algumas unidades de saúde. No entanto, em conformidade com a RDC Anvisa Nº 20/2011 e a RDC Anvisa Nº 96/2016, a dispensação de antimicrobianos, substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial, é realizada somente em algumas unidades e em horários específicos.

Procure a unidade dispensadora mais próxima de sua residência e tenha em mãos os seguintes documentos:

– Cartão Nacional da Saúde (cartão do SUS);

– Receita médica (com data);

– CPF;

– Documento original com foto.

Medicamentos: uso seguro e cuidados essenciais

A maior parte dos erros na utilização de medicamentos é potencialmente evitável. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2014, os erros de medicação de forma geral correspondiam a 30% dos erros em hospitais. Na atenção primária, é a principal causa de eventos adversos, principalmente em crianças e idosos.

O assunto também é tema de preocupação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que em 2017 lançou o desafio global pelo uso seguro de medicamentos. Segundo a OMS, mais de 50% de todos os medicamentos são incorretamente prescritos, dispensados e vendidos; e mais da metade dos pacientes que os utilizam o fazem incorretamente.

Esses erros podem ser causados por diferentes fatores que potencialmente interferem na prescrição, na dispensação, na administração, no consumo e no monitoramento de medicamentos, o que pode ocasionar sérios prejuízos para a saúde e até mesmo a morte.

Para que servem os medicamentos?

Os medicamentos podem ser usados na prevenção, no diagnóstico, no tratamento de doenças e, também, no controle de sinais/sintomas, como dor, por exemplo. A administração dos medicamentos pode acontecer em diferentes lugares: em casa, em clínicas e ambulatórios, no hospital e também na farmácia. A sua utilização deve ser sempre feita com orientação de um profissional de saúde especializado, já que o uso incorreto pode trazer sérios danos à saúde.

CUIDADO!

Não use medicamentos indicados por outras pessoas: como amigos, vizinhos, parentes ou o balconista da farmácia. Cuidado! Doenças diferentes podem ter sintomas parecidos ou até iguais, mas usar medicamento sem recomendação de um profissional de saúde pode ser prejudicial a sua saúde!

Descarte dos medicamentos

Não jogue sobras de medicamentos após o uso no lixo comum, na pia ou no vaso sanitário. Isso é incorreto. Os resíduos das substâncias podem contaminar o solo e água quando descartados dessa forma. Além disso, quando jogamos medicamentos no lixo comum, eles podem ser utilizados por pessoas que trabalham em lixões, ocasionando intoxicações e até a morte.

Para jogar fora o medicamento, o ideal é entregá-lo em um posto de coleta. Muitas farmácias, drogarias e unidades básicas de saúde oferecem esse serviço.

Fonte: Gerência de Assistência Farmacêutica / Secretaria Municipal de Saúde